Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009
FELIZ NATAL E QUE EM 2010 A PAZ E O BEM FIQUEM CONNOSCO DE VEZ!

 

 

 

As mãos e as artroses delas ainda enregeladas acabam de levantar do encharcado chão as melhores mantas de musgo – este ano acho que terei sido dos primeiros – algures, nas encostas de um pequeno vale ali para as bandas de Ortiga, Mação. É com elas que vou atapetar quase um metro quadrado do meu presépio, num ritual, creio, a que nunca faltei desde que me conheço. Outra vez, e sempre, com redobrada intensidade – parece que quanto mais avançamos na idade mais nos aproximamos dessa idade outra onde tudo teve seu começo…- as memórias de um presépio que via nascer com deslumbrado fascínio, por entre os tão frágeis quanto mágicos dedos da minha querida professora Menina Conceição, ainda, para nosso agrado, bem viva por Cardigos. Acho mesmo que lhe devo alguma desta persistência no mundo das artes plásticas, ontem, como hoje, na procura do Belo que se esconde, como dizia Miguel Ângelo, adormecido numa pedra, à espera que alguém lhe dê vida. A Menina Conceição fazia presépios como ninguém mas agora que me preparo para erguer a gruta - numa solução encontrada, há já alguns anos, em mirífica e abaulada casca de sobreiro – vêm-me à memória as suas pedras simuladas, erguidas a partir de espesso e contorcido papel de cenário a que adequadas tintas emprestavam um realismo que, não duvido, poderiam enganar o florentino escultor! E as casinhas, com seus tectos palestinos em meia lua, muito branquinhos, com trémulas lamparinas simulando vida dentro delas…para não falar do gosto que nos incutia na modelação das nossas próprias figuras. Alguns anos mais tarde um colega de seminário haveria de recordar-me como, enquanto uns se perdiam pelo futebol ( onde a minha vontade de jogar raramente encontrava eco, por inabilidade, creio, nos eleitos, nos “seleccionados” para os grandes derbies!!!) no pelado de Gavião, eu me embrenhava nos seus muitos barredos  tentando dar vida a algumas das figurinhas do presépio. Acho mesmo que eram os bons vícios da escola primária da saudosa Cardigos de que não queria separar-me.
 Obrigado, Menina Conceição, outra vez.
2
Este ano, por ser de continuada crise, sei lá, insisti em encher de palha a pequenina cabana, assim como que a querer lembrar-me a mim próprio, de que Natal também significa nascer para uma vida cada vez mais ligada ao Ser do que ao ter. E, no entanto, como crescem os apelos a que nos esqueçamos destas realidades iniciais, a começar pelo continuado desprezo pelo nosso interior, um desprezo que dói mais quando é protagonizado por aqueles de entre nós que ainda vão apostando ficar por aqui. Falo do património edificado de Mação e dos seus mais recentes e deslumbrados atentados como aquele que temos patente no Largo do Cineteatro. E se o presépio nos remete para a singeleza da gruta de Belém, o que é que nos custava preservar o Centro Histórico com reconstruções que preservassem a velha traça que herdámos dos nossos antepassados? Por que não deixar os exercícios de arquitectura modernaça para a zona moderna envolvente a Mação? Nada nos move contra quem investe em Mação, nomeadamente, contra os proprietários do edifício em causa, e, sim, contra a opção que a senhora Câmara ali autorizou, ela que devia ser o garante da jóia da coroa. Menina Conceição, vou pedir ao Menino Jesus que a faça vir cá dar umas lições de património aos nossos deslumbrados autarcas. Que pena que não tenham sido seus alunos. Feliz Natal para todos e um 2010 com mais respeito pelo nosso património!
 
3
 
 
 
Para postal, escolho este ano esta escultura “Família” realizada no conjunto das várias exposições que, afortunadamente, pude realizar em Lisboa, Aljustrel e Messejana apesar de, à semelhança do Menino ( ele que me desculpe a presunção!) não ter havido lugar para mim, por “falta de nome”, nos corredores de S.Bento.
Uma família, a sua casa, celebrando essa outra realidade que nos é tão peculiar, a do vinho, que o Menino, nas vésperas de nos deixar, consagraria como o Seu sangue, o derradeiro Testemunho de que ficaria para sempre connosco.
 
Natal, pois, Deus connosco, todos os dias. Sempre.
 
 
NR - Em face do pouco tempo disponível para editar, convido a passar pela ânimo assim convertida na Grande Fogueira de Natal à roda da qual os amigos, como Família outra, vão passando e deixando os seus comentários.Obrigado!
 
Largo da Matriz de Mação, ontem. Fogueira em preparação.Veja na ânimo as imagens animadas se o tempo permitir!
 
 

 



publicado por animo às 17:56
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

IR EM FRENTE MESMO QUE SE...

IDE EM FRENTE . MENSAGEM ...

PARA FÁTIMA E EM FORÇA ....

UMA ESPÉCIE DE ADEUS ATÉ ...

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

AS MÚSICAS DA MÚSICA TOCA...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

ANTÓNIO SILVA E ARMÉNIO M...

ALMOÇAI EM MINHA MEMÓRIA ...

arquivos

Julho 2017

Setembro 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds