Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010
ACÍLIO MENDES O NOVO ARCIPRESTE DE BARCELOS NOMEADO POR....MÁRIO SOARES!

Bom Dia,
Com Paz e Alegria!
 
Com o abraço de Paz e Bem,
vai esta «FLORINHA FRANCISCANA»,
colhida no jardim de Barcelos.
frei Acílio
 
 
 
Florinha Franciscana
Mário Soares, Francisco de Assis e Frei Acílio
 
De como frei Acílio foi nomeado Arcipreste de Barcelos pelo Dr. Mário Soares
 
            A Câmara Municipal de Barcelos organiza, durante este ano, um ciclo de conferências sobre «o Diálogo Inter-religioso, Consciência e Religiões –Perspectivas».
            O pontapé de saída foi dado pelo Dr. Mário Soares, Presidente da Comissão de Liberdade Religiosa. Foi no dia 30 de Janeiro, numa conferência que suscitou o interesse das pessoas que enchiam o Auditório Municipal de Barcelos.
            Num texto escrito, o ex-Presidente da República começou por abordar a origem das religiões, salientando a resposta que elas deverão dar às prementes questões que inquietam a consciência humana: Quem somos? De onde vimos? Para onde vamos? Qual o sentido da vida e da morte?
            Todos sabem que sou agnóstico. Não sou ateu. Um verdadeiro ateu tem razões para negar Deus. Eu não encontrei essas razões. Sei que a fé é uma graça divina. Eu nunca fui tocado por essa graça. Custa-me acreditar num Deus antropomórfico, muito à imagem do homem, que se entretém a espiar as acções das pessoas, convidando umas para a bem-aventurança, atirando outras para o inferno.
            O Dr. Mário Soares apresentou, em síntese, um recorrido pela história, focando mais o mundo ocidental, desde a «conversão» de Constantino, assumindo o cristianismo como a religião do Império Romano, passando a Igreja de comunidade perseguida a instituição perseguidora.
            Houve épocas em que as três religiões do Livro – Judaísmo, Catolicismo e Islamismo – conviveram pacificamente. Um símbolo deste enriquecimento mútuo acontece em Córdova. Não esqueçamos que foi o papa Alexandre III que concedeu o título de rei ao nosso D. Afonso Henriques.
            O conflito entre as interpretações bíblicas e o caso Galileu, com a revolução do heliocentrismo, em detrimento do geocentrismo. Nos séculos XVII e XVIII houve grandes progressos científicos. No século XIX, novo conflito entre a ciência e a Igreja, com a teoria evolucionista de Darwin e o criacionismo bíblico. A primeira lei da separação do Estado e Igreja foi promulgada na França, em 1905. Portugal vem logo em segundo lugar, em 1911, um ano após a implantação da República. Nesse tempo o clericalismo era muito forte e influente, provocando um fortíssimo anti-clericalismo, liderado por Afonso Costa. A Igreja regressa à política com os acontecimentos de Fátima, em 1917. Em 1921 o «Partido da Igreja» (com Salazar) tem assento no Parlamento Nacional. Em 28 de Maio de 1926 é imposta uma ditadura que permanece ao longo de 48 anos.
Sempre houve na Igreja – na Igreja Católica, dado que às outras Igrejas não eram reconhecidos os mesmos direitos – muitas figuras de vulto que viveram e lutaram por valores humanistas e democráticos, pelos direitos humanos e pela justiça social. Por exemplo, o Padre Joaquim Alves Correia [Missionário Espiritano] com o seu livro «A largueza do Reino de Deus», o Padre Abel Varzim e as questões sociais, o bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes, e a sua corajosa Carta a Salazar, após a farsa eleitoral com a derrota do General Humberto Delgado…
            O Concílio Vaticano II trouxe grandes avanços na linha do ecumenismo, do diálogo inter-religioso e com todas as pessoas de boa vontade, assim como o reconhecimento da autonomia das realidades terrestres e da ciência e da cultura…
            Em 1974 vivemos a Revolução de Abril, com a implantação da II República. De modo algum queríamos repetir agora os erros da I República. Por isso, como Ministro dos Negócios Estrangeiros, encontrei-me com o Núncio Apostólico e com o Cardeal D. António Ribeiro. Houve sempre diálogo e o necessário consenso em questões mais sensíveis.
Com a liberdade da Revolução dos Cravos e com a realidade social da imigração (Portugal passou de País de emigrantes a País de imigrantes), as grandes religiões passaram a ter mais visibilidade em Portugal – coisa que só acontece nos países democráticos. Realidade bem diferente é o fenómeno das seitas que, a coberto de questões religiosas, vão extorquindo o dinheiro aos seus fiéis. Também diferente é o terrorismo político, por vezes com aparências de religião. É verdade que, ainda hoje, temos alguns governos teocráticos, mas apenas no mundo islâmico, como no Irão, por exemplo.
Hoje, as grandes religiões abraçam o diálogo inter-religioso, deixando de lado o fanatismo. Eu aprendi muito nos trabalhos com a Comunidade de Santo Egídio, em Roma. Hoje caminhamos para o diálogo e a aliança das civilizações.»
                        … E houve um tempo para perguntas e intervenções dos participantes. Achei por bem intervir. Mais ou menos nestes termos:
            «Sou franciscano capuchinho, sacerdote – frei Acílio. De passagem por Barcelos. Não pretendo levantar qualquer questão, ou formular perguntas. Apenas sublinhar alguns valores. Aproveito para agradecer à Câmara de Barcelos esta excelente iniciativa cultural. Posso fazê-lo em nome dos Franciscanos Capuchinhos, presentes em Barcelos hà 75 anos e que sempre mantiveram com a Câmara uma atitude de mútua colaboração. Quero também agradecer ao Dr. Mário Soares este sintético, mas oportuno e elucidativo roteiro pelos caminhos da liberdade e do diálogo inter-religioso.
            Sou franciscano. Sei que o Sr. Dr. Mário Soares participou nalguns Encontros Ecuménicos em Assis, uma arrojada iniciativa profética do papa João Paulo II, que ele mesmo baptizou de «Espírito de Assis». Nesta quarta-feira, o papa Bento XVI, na audiência geral, na sua alocução para muitos milhares de fiéis que acorrem à Praça de São Pedro, apresentou São Francisco de Assis como o santo que «continua a fascínar inúmeras pessoas de todas as idades e credos religiosos». E vê em Francisco de Assis o modelo de diálogo inter-religioso para nós, hoje. Numa época em que a Igreja, para «libertar umas pedras», organizava as Cruzadas, matando miuros e infiéis sarracenos, Francisco de Assis, diz textualmente o papa: «foi até às terras sob o domínio do Islão, armado somente com a sua fé e mansidão, conseguindo estabelecer um diálogo frutuoso com os muçulmanos, o qual ainda hoje é modelo para nós».
Alegra-me também que o Dr. Mário Soares, na resposta a uma questão acerca do confronto entre o Islamismo e o Cristianismo ocidental, tenha apontado para métodos e fins mais humanistas. Não se trata de saber quem deve ceder, mas apelando à necessidade de aprender a coexistir e a conviver. Peço desculpa da comparação. Mas nós não somos como os bois das «chegas» de Montalegre, em que o confronto só termina com a humilhante desistência de um dos beligerantes…O diálogo inter-religioso é fundamental para a liberdade pessoal, a convivência social e a salvaguarda da criação.
Não faço perguntas. Reafirmo valores. Bem-haja. Sr. Presidente da Câmara! Bem-haja, Sr. Dr. Mário Soares!
O Dr. Mário Soares começou por agradecer ao «senhor Arcipreste de Barcelos». E é desta feita que, por uns segundos, o frei Acílio é «arcipreste de Barcelos». Desfeito o equívoco, o Dr. Mário Soares, acrescenta mais alguns dados:
Participei com emoção nos Encontros de Assis. Naquele tempo, eu ainda percebia pouco de religiões. Mas sempre admirei a «grandeza dos franciscanos». Já disse que meu pai tinha sido padre. Agora digo mais: ele também era franciscano. Quando eu era Primeiro Ministro, a Irmandade dos Franciscanos [da Luz] convidou-me para um almoço no seu convento. Um frade de idade avançada ofereceu-me um precioso documento. Meu pai, antes de se casar pela Igreja – com todas as licenças do Vaticano – fez ali uns dias de reflexão, escrevendo, no fim, as suas impressões. Foi este documento que os frades me entregaram e que eu guardo com muito carinho. Quando meu pai faleceu, deixou-me uma carta a pedir que, após a sua morte, fossem celebradas umas quantas Missas por ele, além de outras obrigações. E tudo se fez como ele pediu.
Agradeço ao senhor padre franciscano a evocação do Encontro de Assis, onde muito aprendi.
 
Em louvor de Cristo e do seu servo Francisco,
 
Barcelos, 30 de Janeiro de 2010
frei Acílio Mendes

 



publicado por animo às 12:52
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

IR EM FRENTE MESMO QUE SE...

IDE EM FRENTE . MENSAGEM ...

PARA FÁTIMA E EM FORÇA ....

UMA ESPÉCIE DE ADEUS ATÉ ...

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

AS MÚSICAS DA MÚSICA TOCA...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

ANTÓNIO SILVA E ARMÉNIO M...

ALMOÇAI EM MINHA MEMÓRIA ...

arquivos

Julho 2017

Setembro 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds