Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010
JOAQUIM AFONSO E A HISTÓRIA DE UMA TORNEIRA!!!

 

 

Joaquim Afonso e o editor, só para relembrar velhos tempos!

 

 

 

 

Eles…querem comprar a mangueira /versus torneira do Afonso

 

Parece incrível, mas segundo os meios de comunicação social (mass media) nacionais e internacionais, tanto escritos como falados e todas as agências noticiosas dignas de crédito jornalístico em Portugal e até o veículo mais moderno e rápido de difusão, a internet, o rectângulo algarvio desde a ponta de Sagres até Vila Real de S. António apressa-se a negociar com sua majestade, o Rei Conquistador ou sua alteza real, uma torneira valiosa e muito especial no reino, guardada a sete chaves de ouro bruto num cofre de marfim trazido das bandas do Norte de África ou das terras D´Além e D´Aquém, algures escondida em serranias, lagoas ou falésias extintas no espaço circundante e isto desde o seu duvidoso e inesperado desaparecimento após a sangrenta e mortífera batalha travada contra os infiéis, traidores, contestatários e rebeldes monárquicos e azar dos azares, numa noite de bruma e intenso nevoeiro.

Estas notícias têm sido objecto de milhentos comentários diversos, assaz animados de acesa e aguerrida polémica entre os algarvios naturais, quer nas ruas, cafés mais conhecidos das redondezas e entre as populações mais rurais e mais afastadas dos grandes burgos e como estamos em plena época estival e por contágio lógico e crescente (somos todos portugueses e genuinamente lusitanos de Viriato, veraneantes sortudos, cuja cara e pé descalço não finge a crise), sobretudo do Norte de Portugal, das ilhas e também do estrangeiro, nomeadamente britânicos, franceses e hermanos espanhóis bem como muitos brasileiros, que todos os anos rumam a outras paragens como aves migratórias famintas de aventura e utopias e esta região de Portugal é ideal para usufruir do sol, praia, mar, culinária, cultura física e intelectual leve. ..

 

Nos hotéis mais requintados e afamados de quatro e cinco estrelas das principais grandes cidades, nas estalagens, casas de campo, piscinas, cafés, restaurantes e bares, sachas, kat dral (es), santuários diversos de cultos profanos e multiculturais, campos de ténis e golfe, big one , zoomarine, aquashow park, aqualand, splashparques, slide and splash, parques de campismo legais e selvagens, esquinas de rua, romarias e festivais populares de sardinha e marisco e de…, até nos hospitais e centros de saúde a braços com a  assustadora e enigmática gripe a, nas capelas, campanários mais simples e igrejas mais sumptuosas, perturbando a paz de Deus, dos santos, os sagrados rituais do culto e a figadeira e vísceras do clero, bem como  nas praias durante os banhos e mergulhos, afectando a calmaria e o lazer dos peixinhos  curiosamente atrevidos e distraídos e sobretudo os nadadores-salvadores que não param de deitar baldes e baldes  e extensas mangueiradas de água fresca à acesa fogueira marítima privando as inocentes, puras, indefesas, mimadas, indiferentes e bem untadas de areia as criancinhas de mil brincadeiras, diabruras e cambalhotas, pois  os acompanhantes alheados da realidade  pais, avós muito carinhosos e permissivos ou tutores , não têm tempo para lhes ligar e dar atenção, tal é o poder investido na discussão travada, que se sentem desamparadas e perdidas na areia e na água e nos pequenos lagos feitos com pretenso engenho e arte. Prenúncio, sem dúdiva, nascente de vocações aspirantes a engenheiros náuticos e outros…sabe-se lá… O assunto é tão badalado e apregoado, que parece um tsunami gigante, causando muito pânico e alarido colectivo e bastante mal-estar na vizinhança, habituada a uma vida rural pacata e sossegada e em todos os comerciantes, habitantes sazonais, veraneantes e estrangeiros e tudo isso, por causa de uma torneira misteriosa que segundo algumas pessoas do povo mais simples, mais ligado à terra e às tradições ancestrais, mas dotado de grande sabedoria, dizem, que é uma torneira milagrosa.

Imaginem, vocês, se fossem várias torneiras…

O comando nacional e provincial da protecção civil está em alerta amarelo, transitando constantemente e de acordo com as informações amiúde divulgadas pela rádio, televisão e outros meios adequados, dependendo das horas do dia e da noite, em alerta vermelho vivo. Até a sirene dos bombeiros está constantemente a berrar, incomodando  ligeiramente todas as populações, veraneantes e atrevidamente a cesta do sr. presidente, que já foi da nossa República. A própria PSP, a GNR andam em constante rodopio pelas vilas e cidades, a guarda –florestal a braços com os fogos faz portagens nas montanhas, aconselhando os automobilistas a poupar gasolina e gasóleo, a utilizar veículos de duas rodas menos poluentes e mais económicos, vendo-se, no entanto, aqui e ali, já alguns desacatos e muitos carros bloqueados em ruas de grande movimentação pedestre, rodoviário e ferroviário.

 Imaginem só… O Parlamento gozando de merecidíssimas férias está prestes a reunir de emergência, alguns até já foram convocados via satélite e GPS, mas há um pequeno senão, o presidente muito ocupado ou também de férias, não sabe onde se encontram os deputados, secretários e assessores… Alguém terá dito e a fonte é fidedigna, não duvidem…em aparte, claro, que estavam muito preocupados neste momento e nesta altura com as suas férias e das famílias e amigas e que as causas urgentes e nobres ficariam para depois…

Mas, os algarvios preocupados com tantos problemas que os irritam, e de que mais se queixam, nomeadamente a monocultura do turismo, centros históricos vazios, recorde de desemprego, desertificação do interior, centralismo, portos de pesca, trânsito caótico, falta de bom ambiente, transportes públicos lentos e escassos, insegurança crescente, ainda têm mais este problemas para resolver. Portanto, imaginem as preocupações das autoridades incumbidas de zelar pelo bem-estar dos cidadãos. Sim, porque nós não estamos no tempo do rei… Creio que estas ainda não estão de férias…porque se tal acontecesse já se tinha despoletado uma guerra civil, não com espadas como antigamente, apesar de existiram muitas nos inúmeros museus com vontade de se desenferrujarem ou como no tempo dos afonsinos guerreiros, mas à pistolada, facada, tesourada, paulada, murrada e outras artes, provavelmente utilizando-se em última instância  todos os adereços que adornam um bom prato de peixe ou carne.

Ciente desta avalanche de problemas e em férias e longe da minha terrinha natal, da qual ainda mantenho uma razoável memória, mais pacífica e ordeira, resolvi não por cobardia, mas por prevenção abandonar com a minha família e amigos, rapidamente este local de veraneio, que por sinal é muito tórrido e agradável.

Recebi em sonhos esta mensagem: - Levanta-te e toma a tua carrocinha, antes que seja tarde! Dirige - te para local seguro e mais húmido, pois a tua pele de sapo, precisa doutro clima! Caso contrário, estás sujeito a sofrer grandes queimaduras e não tens bombeiro que te apague o fogo.

O veraneante cumpriu integralmente a intenção da mensagem e está neste preciso momento a dirigir-se para local seguro e secreto. No caminho ouvindo a rádio e parando em algumas estações para ver a televisão, verificava que a situação estava cada vez mais quente, os conflitos tinham aumentado e a guerra não desejada estava cada vez mais civil e iminente.

Todo o reino está preocupado, os países vizinhos em mensagens substantivas e cordiais manifestam a sua grande preocupação por este pedacinho tão bonito e agradável de Portugal. Algumas vozes, talvez as da desgraça, dizem animadamente e com ironia que tudo isto foi por causa do negócio da torneira de D. Afonso Henriques. Outros, mais ligados às tradições do passado, dizem que, afinal, o que eles precisam, neste momento tão insólito, não é da torneira, pois torneiras há muitas nas drogarias, seu palerma, precisam sim, mas é de uma espada bem afiada de dois gumes.

E, esta, hein!?

 

J.Afonso



publicado por animo às 09:47
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

IR EM FRENTE MESMO QUE SE...

IDE EM FRENTE . MENSAGEM ...

PARA FÁTIMA E EM FORÇA ....

UMA ESPÉCIE DE ADEUS ATÉ ...

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

AS MÚSICAS DA MÚSICA TOCA...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

ANTÓNIO SILVA E ARMÉNIO M...

ALMOÇAI EM MINHA MEMÓRIA ...

arquivos

Julho 2017

Setembro 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds