Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008
NATAL: DEUS E... ACÍLIO JÁ CONNOSCO!
capuchinhos12a1

É a grande notícia deste Natal, para além da Boa Nova do Emanuel - Deus Menino Connosco - o Frei Acílio já nos dirige Palavras! Não perdemos mais tempo.Publicamos, na íntegra, os últimos dias de Acílio. A melhor preparação para o Natal!

Acílio, a seguir, queremos umas palavrinhas para nós! Feliz Natal para ti, família e toda a comunidade capuchinha.

ac

________________________

 


 


 


(VI)VER DE NOVO


 


Bom Dia,


Com Paz e Alegria!


 


Em 2007 vivi a solenidade do Natal em terras do Sol Nascente, Timor-Leste. Na tarde do dia 24 de Dezembro, uma avaria na estação eléctrica do distrito de Manatuto, prixou-nos da luz. Contextualizando a situação o Pároco de Vemasse assim iniciou a homilia da Missa da Meia-Noite, em paráfrase ao texto de Isaías: «O povo que andava na luz, viu umas grandes trevas».


Mais umas horas e eis-nos a cantar ao Deus-Menino que, nascendo à meia-noite, vem como Luz do mundo.


Sei que estes dias não são dias de palavras. Somos convidados a concentrar-nos no Mistério d’Aquele que é a Palavra e que veio habitar no meio de nós. Entretanto, deixo esta «comunicação de vida», rabiscada ao longo destes últoms meses, num desejo de ir passando das trevas à Luz.


No dia 17 de Dezembro, às 17 horas, passados quase três meses após a primeira operação para extracção do cristalino da vista esquerda, sou submetido a nova e muito delicada intervenção cirúrgica na Clínica Oftalmológica Ribeiro-Barraquer, no Porto. Objectivo: a introdução e fixação de uma lente (cristalino artificial) no seu nicho intra-ocular. Apesar da anestesia e anestesia reforçada, as dores eram de arrasar. Lembro-me de ter voado espiritualmente até Timor-Leste, oferecendo tudo pela nossa mais recente aventura missionária. O amor suaviza a dor e transforma o sofrimento em força redentora, ou energia positiva, como preferem outros.


Algo de anormal se passava no bloco operatório. É muito raro, mas não impossível: o inesperado aconteceu em plena operação: o «descolamento monstruoso da coróide» (o dobro dos grandes descolamentos), com hemorragia e hematoma. Poderia ter sido a «morte» do olho esquerdo. Graças à pronta intervenção (poucos são os segundos disponíveis) do Dr. Paulo Ribeiro, em laboriosa parceria com a Dra. Teresa, sua esposa, foi evitada a catástrofe.


Era o dia 17 de Dezembro. Início da Novena do Menino Jesus, com destaque para as famosas Antífonas do Ó. Envolve-nos, nestes dias, uma especial presença de Nossa Senhora do Ó. Por coincidência, o rombo diagnosticado pela Dra. Sandra Moniz na vista esquerda aconteceu no dia 15 de Setembro, na Madeira, após a realização da XXI Semana Bíblica Diocesana. Celebrava-se, nesse dia, a festa de Nossa Senhora das Dores.


No tempo de São Paulo – há cerca de dois mil anos - ninguém sonhava em transplante de órgãos nem em implantação de cristalinos. Mas havia – tal como hoje – gente generosa e disposta ao impossível. Debatendo-se o Apóstolo com algum problema grave na vista, dá este testemunho a favor dos cristãos da Galácia: «Se tivesse sido possível, teríeis arrancado os vossos olhos para mos dar» (Gl 4,15). Dou graças ao Senhor porque, nestes tempos, irmãos e amigos têm sido olhos dos meus olhos, passos dos meus passos.


No primeiro escrito do Novo Testamento, o Apóstolo Paulo traça-nos um audacioso projecto de vida, que a Liturgia transcreve para os últimos dias de Advento, tempo da Esperança e da Certeza do Deus-Connosco: «Vivei sempre alegres, orai sem cessar, dai graças em todas as circunstâncias, pois é esta a vontade de Deus a vosso respeito, em Cristo Jesus» (1 Ts 5,16). (Vai partitura em anexo).


O contraste é por demais evidente. Após a operação, seguiram-se dias de «angústia expectante», pois no período pós-operatório é ainda grande o risco de acontecer o mais temível: o descolamento e destruição da retina, com a «morte» do olho. Uma apertada vigilância, com idas diárias à Clínica, foi acompanhando a evolução do olho na sua complexa e muito delicada estrutura.


Vou tentando seguir o exigente programa apontado por São Paulo, muito semelhante ao clássico «sermão de perfeita alegria» de Francisco de Assis. Depois do Inverno vem a Primavera! Passo a passo. Lentamente.


            Mas voltemos atrás nesta «comunicação de vida». No final do Apocalipse, São João descreve-nos o fascínio da Nova Jerusalém, deitando mão às mais variadas comparações. Destaco: «Tinha o resplendor da glória de Deus: brilhava como pedra preciosa, como pedra de jaspe cristalino» (Ap 21,11).


«Pedra de jaspe CRISTALINO». Em toda a Bíblia, é a única vez em que nos deparamos com tal vocábulo. CRISTALINO. Neste caso, um adjectivo. A palavra mágica que me acompanhou ao longo de 84 dias, mais noites que dias. Vivi todo este tempo sem o cristalino da vista esquerda. Aqui, como substantivo e muito substancial.


Tendo em conta que, desde Dezembro de 2001, a vista direita ficou reduzida a uns escassos 15% de visão, devido a uma trombose que afectou o nervo óptico, a nova situação equivalia a não ver, a viver nas «trevas», a fazer a experiência existencial do «Ensaio sobre a cegueira», evocando o nosso Nobel da Literatura. Uma situação de «violência», mas vivida na mais genuína solidariedade. Jamais esquecerei a estranha sensação experimentada no passado dia 25 de Setembro, ao ser-me retirado o penso que protegia a vista esquerda, após a operação – delicada e de alto risco – efectuada de urgência no dia anterior, pela mão certeira do Dr. Paulo Ribeiro, na Clínica Oftalmológica Ribeiro – Barraquer, no Porto. Uma Clínica que me acompanha desde o dia 18 de Fevereiro de 1959. Há operações a cataratas, a descolamento da retina, a glaucoma, a implantações de córnea… Agora fiquei a saber que há também intervenções cirúrgicas para extrair o cristalino. Neste caso, por ele se encontrar quase, quase a desprender-se, preso por um fio…Isto digo eu, «escrituristicamente falando» (como ouvimos na publicidade), pois ignoro os termos técnicos. Sei que «não sou o único a olhar o céu» cem o cristalino, mas como até hoje, não encontrei outros casos similares, nem sequer dá para uma «Associação do Cristalino»…


Um pouco à semelhança do cego de Betsaida, segundo a narrativa evangélica, passei a ver os «homens como árvores» (Mc 8,24) e as mulheres como flores…


Abortada a viagem para o Brasil, rumo ao ano sabático, marcada para o dia 27 de Setembro, e embora esteja destinado, neste triénio à Fraternidade de Fátima, pela proximidade da Clínica, fui acolhido na Fraternidade dos Capuchinhos do Porto, sob a atenta guia do Guardião e Mestre, frei Guedes.. Mesmo sem ficar hospedado na Enfermaria Provincial, encontrei em cada Irmão um solícito e cuidadoso «enfermeiro», com destaque para o frei Avelino que, além das centenas e centenas de variadas gotas a diferentes horas do dia, sempre me acompanhou nas inúmeras deslocações à Clínica. Nem todos os Irmãos são sacerdotes, mas todos se apresentam como «diáconos», vivendo a alegria de servir. É uma bênção integrar a Fraternidade do Porto. Cultiva-se a amizade, intensifica-se o estudo e a convivialidade, fomenta-se a alegria e o serviço fraterno, expande-se a simplicidade, pratica-se o diálogo inter-cultural (irmãos de Angola, Cabo Verde e Portugal), ensaia-se o «entrosamento» de gerações – extenso é o arco etário, desde os 22 anos do frei Valter aos 90 de frei Lourenço. Impensável a «interrupção da democracia» por um dia, muito menos por seis meses…É maravilhoso aperceber-se da «sinfonia do amor» na vida fraterna, num crescendo progressivo, sob a batuta do Espírito, o Divino Artista da Comunhão!


Concelebrar diariamente a Eucaristia é de uma riqueza incalculável. Quanto aprendi com cada Irmão que presidiu à celebração do «Mistério admirável da nossa Fé»!  Com eles e através deles – cada um com sua marca peculiar – o Senhor deu-me a saborear uma vivência eucarística envolta na profundidade do Mistério pascal, na serenidade da contemplação, no compromisso eclesial e social.


Para mim, celebrar ou concelebrar nesta Igreja da Imaculada é sempre uma alegria muito íntima e a oportunidade de renovar o dom do Sacerdócio: foi nesta igreja e neste altar que, em Maio de 1968, e pelas mãos de D. Francisco da Mata Mourisca, que o Espírito do Senhor me revestiu do ministério sacerdotal.


Em muitos dias do Tempo Comum foi proclamado um dos Prefácios que me tem acompanhado mais de perto: «É verdadeiramente nossa salvação louvar e dar graças ao Senhor em todos os momentos da nossa vida, na saúde e na doença, no sofrimento e na alegria…» Louvado sejas, ó meu Senhor, por estes Irmãos sacerdotes!


Dou graças ao Senhor pela presença solícita e constante dos Irmãos Capuchinhos, dos familiares, de tantos amigos de perto e de longe. Solicitude solidária e oração confiante. Pude agora aperceber-me do incalculável valor de coisas muito simples, como o corrimão da mais pequena escada, ou as marcações dos degraus (que os pés também «vêem»). Mais valioso ainda do que qualquer corrimão é o braço acolhedor do irmão.


Não escondo que os primeiros momentos deste brusco desabar de projectos foram de ansiedade e de trevas. Não é fácil atingir a «perfeita» alegria, tal como o Jogral de Assis a descreve. Li algures que Nossa Senhora de Fátima aconselhou a Irmã Lúcia a adquirir uma máquina de escrever electrónica. A «vidente» poderia, assim, ampliar as letras e continuar a difundir a Mensagem de Fátima. Bendito choque tecnológico que nos possibilita ampliar as letras quase ao tamanho das tristes Torres Gémeas! Bendita lupa que me tem acompanhado nestas lides de alguma reduzida leitura e de escrita! Há outra Luz que não se extingue: «Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida.» (Jo 8,12)


Claro. Desde o dia 25 de Setembro, ponto final na sedutora Internet. Amigos houve que julgaram descobrir-me on-line. Pura miragem. Uma que outra vez, e recorrendo à ajuda de «frei Leão» (o dedicado secretário de Francisco de Assis nos seus dias de cegueira), procurei dar seguimento a algum assunto mais premente, provocando deste modo certos equívocos.


É verdade que «só se vê bem com o coração». Mas também é verdade que «os olhos são as janelas da alma». Não consegui resistir à tentação de musicar de novo o clássico «De profundis», o Salmo 140: «Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor…» Mas, alto aí! Apesar de viver no Porto, não me deixei contagiar pelo pesadelo que, durante algumas semanas, afectou o FC do Porto! O Salmo 140, porque é bíblico, arranca de um angustioso «abismo profundo», para desembocar num outro «abismo», ainda maior e mais profundo: o da misericórdia infinita do Deus do Amor.


Os olhos do coração descobrem riquezas impensáveis. Há filões de outras realidades para os que, na luz do Evangelho, vão purificando o seu olhar. Até o próprio Deus se deixa ver: «Felizes os puros de coração, porque verão a Deus» – proclamou Jesus no Sermão da Montanha (Mt 5,8).


Francisco de Assis, nos últimos tempos da sua vida, roído de sofrimentos e quase cego, ousou compor o mais belo Cântico ao Irmão Sol. (Durante esta época – com sérias dificuldades de enfrentar o Sol – fui informado do nascimento do «Irmão Sol», um blogue dos Antigos Alunos Capuchinhos, uma admirável iniciativa do António Colaço).


Com a inevitável dificuldade na celebração da Liturgia das Horas, procurei certificar-me no capítulo terceiro da Segunda Regra de São Francisco dos correspondentes Pai-Nossos, destinados aos Irmãos não clérigos. Intrigou-me a desproporção entre os 5 Pai-Nossos de Laudes e os 12 de Vésperas… Se, nestes meses, tivesse participado no projectado Curso de Franciscanismo em Marau, nos Capuchinhos do Rio Grande do Sul (Brasil), talvez o frei Sérgio me resolvesse estas questões de critérios estatísticos.


 Sabe bem agora ter decorado (= enviar para o coração) alguns salmos, cânticos e hinos da Bíblia! Sempre me impressionou a cena daqueles 25 jovens jesuítas de Nagazáki (Japão) a sofrerem o martírio e a rezarem Salmos de louvor. «É que – regista o cronista da época – no catecismo costumavam ensinar alguns salmos às crianças». Era a «nova evangelização» do século XVI. Estou certo de que, nos dez anos de catequese da infância e adolescência, serão memorizados alguns Hinos e Salmos, assim como outros textos bíblicos. «A Palavra de Deus abre os olhos ao Povo».


Das orações que, desde miúdo, me ensinaram a memorizar, sobressai a Consagração a Nossa Senhora: «Ó Senhora minha, ó minha Mãe…» Foi preciso arrancarem-me o cristalino da vista esquerda para tomar consciência de que, nesta belíssima oração, o primeiro que consagramos a Nossa Senhora são «os meus olhos…» Não resisti à tentação de musicar esta tradicional Consagração a Nossa Senhora. O inciso «os meus olhos» sobe à nota mais alta da melodia. Nem podia ser de outro modo, dadas as circunstâncias da composição. (Vai partitura em anexo).


Nas primeiras semanas desta nova experiência, dei comigo a inventar mais uma versão do Rosário: o «Rosário da visão». Nele, o Pai Nosso é substituído pelo «Bendigo-Te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque revelaste estas coisas aos pequeninos…» (Lc 10,21), e a Ave, Maria pela prece do cego de Jericó: «Senhor, fazei que eu veja» (Lc 18,41). Posteriormente pareceu-me uma súplica algo redutora e egoísta. E até ousei introduzir uma pequena mas substancial alteração no texto evangélico: «Jesus Cristo, Luz do mundo, fazei que eu Vos veja!» (Vai partitura em anexo).


Limitado o dom da visão, outros sentidos são privilegiados. Nestes dias desfrutei, como jamais tivera tal oportunidade, da escuta serena e gratuita de alguns trechos da imortal música clássica. Quem poderá medir o prazer interior que se experimenta ao saborear as 9 Sinfonias de Beethoven, dirigidas por Karajan?! Ou a Paixão segundo São Mateus e São João, os Corais e Concertos de Brandenburg, a Missa em si menor de Bach? Ou o Messias de Händel? Ou as Quatro Estações de Vivaldi? Ou ainda a Flauta Mágica ou a assim denominada «Pequena Serenata em Sol Maior» de Mozart? Verdadeiros vislumbres da Harmonia, da Beleza e da Felicidade a que todos estamos chamados. Num êxodo da grande tribulação ao Coração da Trindade Santíssima. Porque Deus é Música! Terá razão um autor do séc. XVII, ao escrever: «No céu todos fazem música; o que fará lá aquele que aqui não quer saber de música?» Se, ainda na terra, jamais nos cansaremos de ouvir a Missa em Si menor, de Bach, qual não será, no Céu, o assombro dos eleitos, ao entoarem o Cântico Novo do Apocalipse?!


Mas há ainda uma outra música. Este convento do Porto dispõe de uma invejável quinta, património da Fraternidade dos Capuchinhos, mas uma mais-valia para a Cidade Invicta. E também um paraíso para a grande variedade de irmãos pássaros que aqui desfrutam a Paz e o Bem de um nicho ecológico e torrão franciscano. São intransponíveis para a pauta musical os seus cânticos matinais ou vespertinos. Deliciam-se os ouvidos do nosso coração com os seus louvores ao Altíssimo e Bom Senhor.


Mas, nem só de Música se vive! Do quotidiano de um fradinho fazem parte as lides domésticas. Ao franciscano São Boaventura foi-lhe comunicada a sua nomeação para Cardeal quando se encontrava na cozinha do convento a lavar pratos, tachos e panelas. Durante algumas semanas consegui um importante «emprego»: pôr a mesa e tocar a sineta para alguns actos comunitários. Sempre eram 16 ou 17 pratos rasos, outros tantos pratos fundos, o mesmo número de facas, colheres, garfos e copos, sem esquecer os três cestos com pão, os galheteiros, as três jarras de água, o vinho maduro e o verde, alguns sumos… E também o caderno «Alimentar o espírito» para a Oração sálmica antes das refeições. Mais atribulado foi o toque da sineta. Logo no primeiro Domingo, ao improvisar um sinal mais sonoro e festivo (Domingo é Domingo!), o pobre do badalo não resistiu a tal investida de estrondosa música «heavy metal» e saiu disparado pelo corredor fora…


Conclusão? Se nem um só cabelo da minha cabeça vai caindo sem o consentimento do Pai do Céu (cf. Mt 10,30), com quanta mais solicitude paterna Ele terá acompanhado a queda de um cristalino?! Tudo é graça de Deus! Tudo é dom do Senhor!


Permanecem algumas questões por resolver, à guisa de «alegações finais». Por exemplo:


·         Dá impressão de que a Justiça em Portugal, quando se trata de punir algum «peixe graúdo» (género Casa Pia, BPN, Felgueiras…) está privada, não de um, mas de ambos os cristalinos…


·         Continuo sem enxergar as notas de 500 euros. Mas esta parece ser uma dificuldade congénita…E nada que se compare à fraude de 50 mil milhões de dólares, do espertalhão americano. Uma  questão de «minúcias» financeiras.


·         Envolta num ambiente natalício, no sábado passado, a Académica, embora podendo amealhar três pontos, achou por bem oferecer um ponto ao Sporting, como prenda de Natal. Gestos da «Briosa» que dignificam o Desporto!


·         Sei agora o quanto custa não ver as letras dos livros e revistas, ou as imagens da televisão. Mas reconheço que deve ser bem mais doloroso não «ver» um salário mínimo (mesmo que sejam os anunciados 450 euros para 2009) que cubra todos os dias, até ao último dia de cada mês.


 


Maravilha das maravilhas é «ver» com os olhos do coração o Altíssimo e Bom Senhor feito menino no presépio de Belém, ou transformado em pão e vinho no altar da Eucaristia.


Quem chegou até este ponto, bem merece as maiores bênçãos do Deus-Menino e um Novo Ano cheio de Paz e de Bem.


 Em louvor de Cristo e de seus servos Francisco e Clara de Assis. Ámen.


 


Assino estas linhas no dia 22 de Dezembro. Um dia memorável para a Música eterna. Há 200 anos eram estreadas, em Viena (Áustria) a 5ª e a 6ª Sinfonias de Beethoven. É verdade que ainda vivo mais a dramaticidade da Quinta Sinfonia do que a festiva dança dos pastores da Sexta Sinfonia. Talvez por isso, o Dr. Paulo Ribeiro não me permita dizer que a situação actual «é já» uma prenda de Natal. Obrigando-me a um gerúndio, o máximo a que ele me autoriza é dizer que «vai sendo» uma prenda de Natal. Seja Deus louvado!


O abraço fraterno, amigo e muito agradecido,


 


Porto, 22 de Dezembro de 2008


 


 


frei Acílio



publicado por animo às 23:04
link do post | comentar | favorito

MATINAS
22dez

Mação, a Serra do Bando, ao fundo.

O Sol continua esplendoroso.Obrigado.

As Matinas de hoje, são feitas pelo Nuno Gaspar, obrigado outra vez.

____________________________________________

Caro António Colaço
 
Três vivas ao Irmão Sol pela lembrança do Webangelho e por transmitir aos mestres a nossa grande admiração.
  Estes homens nem por um momento poderão ficar a pensar que estão a pregar no deserto.
  Devemos-lhes forte gratidão, também pelas não raras lágrimas de encanto vertidas ao ler os seus textos mas sobretudo pela convicção profunda que em nós provocam de que a herança de Fé que recebemos dos nossos pais, em tão frágil e modesto embrulho, permanece, apesar de algum ruído fora e dentro da Igreja, o Mistério mais fundo e belo a que aspiramos pertencer.
 
Um abraço
 
Nuno Gaspar


publicado por animo às 10:00
link do post | comentar | favorito

Domingo, 21 de Dezembro de 2008
ÚLTIMA SESSÃO
21dez1a1

Vê só o que o meu dono me arranjou! Não precisas de bilhete! Dá um pulinho ao "drive-in" aqui do lado!

Aqui!

Boa noite mas... hoje já não dá para mais!

AH! ÙLTIMA HORA:O Frei Acílio está a recuperar bem.Daremos mais notícias.

ac


publicado por animo às 23:53
link do post | comentar | favorito

WEBANGELHO/DEUS COM TODOS
freibentodomingos1

Deus com todos
21/12/2008    Frei Bento Domingues, O.P.
(Público de hoje)
 
A linguagem mítica não é uma mentira porque não pretende ser a substituição de uma explicação biológica1. Talvez não seja para homenagear Jesus Cristo e as Igrejas cristãs que a publicidade da Vodafone classifica o Natal como a maior festa do mundo. Direi, no entanto, por todas as razões e mais uma, se o não é, devia ser. Já se tentou, em nome do rigor histórico, eliminar, da cultura do Ocidente, a memória desse estranho judeu, de há dois mil anos, que continua a ser invocado por muitos milhões de pessoas como permanente fonte de vida. Sucessivas gerações de historiadores, com perspectivas muito diversas, têm tornado impossível esse negativismo. Não se espera, no entanto, que a investigação histórica venha algum dia a explicar esse enigma testemunhado nos textos do Novo Testamento, canónicos ou apócrifos. Qualquer trabalho histórico é sempre parcial e não pode evitar as marcas da subjectividade. Não se prevê uma "narrativa canónica" da história do mundo em que Jesus viveu e onde a sua memória se perpetuou. Cada historiador terá sempre de escolher um ângulo de visão e de apresentação do seu trabalho. A noção de verdade histórica está sempre exposta a diferentes configurações. Por outros motivos, o mesmo acontece com as convicções da fé em Cristo. Como Jesus não cabe em nenhum dos títulos que lhe foram atribuídos, haverá sempre quem diga: não, não é bem assim, estão a esquecer o essencial.

2. Vou saltar, de propósito, para a narrativa de um sonho acerca da origem de Jesus Cristo, cujo género literário não pode ser controlado pela investigação histórica: Maria, sua mãe, estava desposada com José; antes de coabitarem, notou-se que tinha concebido pelo poder do Espírito Santo. José, seu esposo, que era um homem justo e não queria difamá-la, resolveu deixá-la secretamente. Andando ele a pensar nisto, eis que o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: "José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados". Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho; e hão-de chamá-lo Emanuel, que quer dizer: Deus connosco. Despertando do sono, José fez como lhe ordenou o anjo do Senhor, e recebeu sua esposa. E, sem que antes a tivesse conhecido, ela deu à luz um filho, ao qual ele pôs o nome de Jesus (Mt 1, 18-25).
Quem olhar para este texto como se fosse um tratado de biologia ou de sexualidade sobrenatural, tem de o achar ridículo e de o entregar ao mundo das anedotas. Ridículo, porém, é esse olhar naturalista. Para uma perspectiva geral de interpretação de textos bíblicos, Orígenes (185-253 d.C.) - apontado como o professor e escritor mais erudito da Igreja Antiga, nascido de uma família cristã do Egipto - já tocou no essencial: "Os simples que interpretam a Bíblia, meramente à letra, formam frequentemente de Deus um conceito muito pior do que se Ele fosse um homem brutal e injusto. (...) A causa de falsas opiniões e de afirmações ímpias ou simplistas parece ser o facto de que a Escritura foi entendida não segundo o seu sentido espiritual, mas à letra".
Não é neste espaço que posso apresentar a natureza dos impropriamente chamados "Evangelhos da Infância" de Jesus, nos quais figura a narrativa transcrita. Dir-se-á que é um mito. Embora a palavra "mito" possa ter significações que não se aplicam aqui, quem ler o texto nessa direcção está num caminho possível. Neste caso, a linguagem mítica não é uma mentira porque não pretende ser a substituição de uma explicação biológica da concepção e do nascimento de Jesus. Esta linguagem é a expressão simbólica, poética, de uma intuição teológica magnífica, inscrita na significação do nome dado à criança, Jesus (Deus salva), explicitando-o com outro: Emanuel (Deus connosco).
Lembro, aqui, uma passagem da belíssima "políptica de maria klophas dita mãe dos homens", de Mário Cesariny: O jogral do céu / riscou uma estrela no manto judeu // e o milagre veio / sem perdão nenhum sem forma sem meio // sobre a palha loura / caiu o menino de nossa senhora menino perfeito / com fomes e prantos com raivas e peito (1).
As orações do Missal Romano terminam todas assim: "Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo". No passado dia 18, a antífona da comunhão, era esta: "O seu nome será Emanuel, Deus-connosco", com a indicação de Mateus 1, 23. Mas a oração que se seguiu esqueceu-se e Jesus Cristo deixou de ser Deus-connosco. Que Ele seja Deus com Deus, óptimo, mas o Natal é para fazer a festa de que, afinal, Ele é Deus-connosco. Todos os trabalhos da vida adulta de Jesus tiveram como objectivo mostrar que Deus está sempre por perto, sobretudo daqueles que, por razões de saúde, de higiene, de profissão, de moral, de religião, de nação, eram classificados como pecadores, abandonados de Deus e sem direito ao convívio social e religioso. O Natal é a festa da transformação da esperança individual ou étnica, na esperança universal: reunir todos os filhos de Deus dispersos, os filhos de todos os povos. Santo Natal! (1) Manual de Prestidigitação, Lisboa, Assírio & Alvim, 2004, p.30-31


publicado por animo às 23:52
link do post | comentar | favorito

NATAL: DO CASAQUISTÃO A CRISTELO!
 

neve1a1

Olá  amigo Colaço.


Presente à chamada... Caros amigos.


Não vão ser muitas mais, do que as 5 linhas pedidas. Ou até serão. Estou nos preparativos para a minha viagem de regresso a Portugal. E não vai poder ser aquilo que eu tencionava. Compensarei pelo Ano Novo,se me fôr possível.


Estava na minha mente, enviar algo  relacionado com o Natal de 2008, mas seria depois de eu chegar a Portugal. Compreendo que a Internet não é igual em todo o lado, e  que o Editor sente isso.


Na falta do melhor, tirei aqui  uma fotografia que vai fresquinha, com neve e tudo, para servir de cartão de Boas Festas.


Amanhã dia 21, se Deus quizer, começarei a minha viagem de regresso. Não vão ser muito confortáveis as primeiras 4 horas de carro através do deserto, até chegar ao primeiro aeroporto na cidade de Kyzilorda, mas paciência... Já estou habituado. Aí um Folker 50, num vôo doméstico de 2 horas e 20 minutos, me levará até Almaty, capital financeira do Cazaquistão. (Today, not Kazakhstan...). O dia 22 será para descansar no Hotel, e no 23 pelas 3 horas da madrugada será a partida para mais 7 horas de avião, de Almaty até Frankfurt na Alemanha. E finalmente, de Frankfurt ao Porto mais 2 horas e 15 minutos, onde espero chegar por volta das 11 horas e 10 minutos da manhã. O almoço já vai ser em família.


Natal: (Depois contar-vos-ei mais em pormenor), Também vai ser de corrida, e a ceia de Natal não até nem vai ser em minha casa. Com a minha mulher e o filho mais novo, vamos a casa de uns cunhados em Soutelo-Vilaverde. Ceia tradicional onde não faltará (penso eu), o fiel amigo bacalhau cozido c/ penca da Póvoa.


Regressaremos a Cristelo – Barcelos, já na madrugada. Na minha aldeia ainda se mantém o Santo Costume de dar a Imagem do Menino Jesus a beijar no fim das Missas.


Quem foi que disse que as minhas viagens nesta época festiva tinham acabado? No dia 26, às 5horas da manhã, outra vez no Porto, com a minha mulher, para uma viagem até Toronto no Canadá, via Frankfurt. A maior parte da nossa famíla vive em Toronto: quatro filhos, quatro noras, uma filha, um genro, cinco netos e quatro netas.


O jantar da passagem de ano, vai ser no “Restaurante Casa Abril em Portugal”. (A minha filha já me disse que os bilhetes estavam pagos. Que não iria haver lugar para desculpas.Ela sabe que eu não gosto muito de noitadas).


Regressaremos a Portugal por volta de 10 de Janeiro. Depois eu conto alguma coisa sobre Toronto.



Natal... Menino Jesus,ficaste para o fim. Estou certo que me perdoarás. Só  queria pedir-te: Que na Noite de Consoada estivesses com as Crianças que até o Pão lhes vai faltar, quando nós  estragamos... Com as Crianças que não vão ter brinquedos, quando nós abusamos a comprar para os nossas. Com as crianças que não têm a quem chamar pai ou mãe. E já agora com aqueles que nesse dia se esquecem de uma prendinha para ti. Não és tu por ventura o “Aniversariante”? Happy Birthday- Feliz Aniversário. Que tenhas muitas prendas. Daquelas que gostas. (não daquelas que nós compramos nos shoping centers.


Com.votos de:


 


Boas Festas


Um abraço do tamanho do mundo


J. Casais



NOTA


As incontáveis cenas para conseguir editar, alta madrugada, esta verdadeira saga do nosso J.Casais!Mas valeu a pena, quer dizer, se na hora do clic derradeiro a rede não cair pela undécima vez!


Muito obrigado, João, uma vez mais, e Feliz Natal para todosos teus!


ac



publicado por animo às 01:26
link do post | comentar | favorito

O CÉU DA MINHA ALDEIA...
dez201

Um instante, nada mais. O que têm em comum, a estas horas da tarde, 15 horas, estes dois aviões que decidiram cruzar-se, mesmo no centro da minha rua, ela mesma no centro geográfico de Portugal?

 

ac.


publicado por animo às 00:53
link do post | comentar | favorito

Sábado, 20 de Dezembro de 2008
WEBANGELHO
Do Diário de Notícias de hoje.

anselmoborges_deus21

'PROVAVELMENTE DEUS NÃO EXISTE'
Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia


 

É possível que já em Janeiro, nas ruas de Londres, as pessoas se deparem com cartazes no exterior dos autocarros com estes dizeres: "There's probably no God. Now stop worring and enjoy your life" (Provavelmente Deus não existe. Então, deixe de preocupar-se e desfrute a vida).



Trata-se de uma campanha publicitária a favor do ateísmo, promovida pela Associação Humanista Britânica e apoiada pelo célebre biólogo darwinista R. Dawkins, professor da Universidade de Oxford, ateu militante e, segundo muitos, fundamentalista.

A campanha foi um êxito, pois rapidamente conseguiu fundos - dezenas de milhares de euros - mais que suficientes para pô-la em marcha. Segundo a jornalista Ariane Sherine, que a tinha sugerido em Junho, "fazer uma campanha em autocarros com uma mensagem tranquilizadora sobre o ateísmo seria uma boa forma de contrabalançar as mensagens de certas organizações religiosas que ameaçam os não cristãos com o inferno".

Para Dawkins, "a religião está acostumada a ter tudo grátis - benefícios fiscais, respeito imerecido e o direito a não ser ofendida, o direito a lavar o cérebro das crianças". Assim, "esta campanha de slogans alternativos nos autocarros de Londres obrigará as pessoas a pensar. Ora, pensar é uma maldição para a religião".

Logo que apareceu o anúncio da campanha, fui confrontado por um jornalista da TSF: se a achava provocatória. Respondi que até a achava interessante. De facto, era isso mesmo: obrigaria as pessoas a pensar nas questões essenciais, e Deus é uma dessas questões decisivas.

Constatei, mais tarde, que essa foi também a posição de líderes religiosos britânicos, que responderam favoravelmente à iniciativa. Aliás, qualquer um tem o direito de promover as suas ideias através de meios apropriados. A Igreja Metodista agradeceu inclusivamente a Dawkins pelo facto de encorajar um "contínuo interesse por Deus". A rev. Jenny Ellis disse: "Esta campanha será uma boa coisa, se levar as pessoas a comprometer-se com as questões mais profundas da vida." E acrescentou: "O cristianismo é para pessoas que não têm medo de pensar sobre a vida e o sentido."

É significativo aquele "provavelmente". Dawkins não sabe que Deus não existe e, por isso, escreve: "Provavelmente." A existência de Deus não é objecto de saber de ciência, à maneira das matemáticas ou das ciências verificáveis experimentalmente. Nisso, Kant viu bem: ninguém pode gloriar-se de saber que Deus existe e que haverá uma vida futura; se alguém o souber, "esse é o homem que há muito procuro, porque todo o saber é comunicável e eu poderia participar nele".

Afinal, também há razões para não crer, mas, quando se pensa na contingência do mundo, no dinamismo da esperança em conexão com a moral e na exigência de sentido último, não se pode negar que é razoável acreditar no Deus pessoal, criador e salvador, que dá sentido final a todas as coisas. Numa e noutra posição - crente e não crente -, entra sempre também algo de opcional.

Mas, nos cartazes, o mais impressionante é a segunda parte: "Deixe de preocupar-se e desfrute a vida." É claro que o que está subjacente a esta conclusão é a ideia de um Deus invejoso da vida e da alegria dos homens e das mulheres.

Se a primeira parte obriga os crentes a pensar, retirando da fé tudo o que de ridículo - pense-se em todas as superstições - lhe tem andado colado, a segunda tem de levá-los a "evangelizar" Deus. É preciso, de facto, reconhecer que houve e há muitos a quem "Deus" tolheu a vida, de tal modo que teria sido preferível nunca terem ouvido falar no seu nome - pense-se no horror do inferno, nas guerras e ódios em seu nome, no envenenamento da sexualidade, na estreiteza e humilhação a que ficaram sujeitos.

Agora que está aí o Natal, é ocasião para meditar no Deus que manifesta a sua benevolência e magnanimidade criadoras no rosto de uma criança. Jesus não veio senão revelar que Deus é amor, favorável a todos os homens e mulheres e querendo a sua realização plena. Perante um "deus" que os humilhasse e escravizasse, só haveria uma atitude digna: ser ateu.

 


NOTA


Para o nosso leitor Nuno Gaspar, algures, no Brasil, para quem já custa mais perder a leitura deste WEBANGELHO do que "perder a missa" a dedicação deste Webangelho.O Pe Anselmo ficou muito sensibilizado com a sua história. Não é a missa que está em causa, seguramente. Talvez, isso sim, algumas missas que são o contrário de tudo o que Jesus Cristo pediu que fizessem " em sua memória".Ler a Palavra de Anselmo, atrevo-me a dizer, anda tão perto de quase ter o Cristo aqui à mão, quer dizer, sentir a serenidade da sua mão, a indicar-nos o Caminho, a sua "memória" viva. SEMPRE PRESENTE. Deus, PRESENTE, afinal.


antónio colaço



publicado por animo às 11:12
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008
CÚMPLICES COM AS ESTRELAS.BOAS FESTAS
boasfestas2008a

 

BOAS FESTAS


Tal como há dois mil anos, a enregelada noite de Dezembro deve ter metido medo àqueles que procuravam nas redondezas da grande cidade um lugar onde o Deus Menino pudesse nascer.


Ele que tinha criado Dia e Noite, e tinha visto que tudo estava bem, esqueceu-se desse pequeno pormenor, um lugar para nascer e, de preferência, com a luz do dia.


É certo que criou as estrelas e os olhos para que pudéssemos adivinhá-las e, assim, reconfortados e um pouco mais seguros, poder segui-las.


Na noite que persiste em pairar no nosso Portugal, há uma luzinha que se acende no Largo das Cortes


 tranquilizando-nos de que, afinal, há um caminho.


Acredito que em 2009 vamos poder encarar as noites


 com muito mais tranquilidade.


 


As estrelas só precisam da nossa cumplicidade.


assinatura


NOTA


Até este momento, 19.15 de Sexta, o nosso correio não registou mais colaborações, tal como solicitado. As condições de edição lá na aldeia não são as melhores. A ver vamos. Não deixem de nos enviar o que desejarem.Talvez que em 2009 possamos contar com mais empenho. A todos, na mesma, Feliz e Santo Natal.ac



publicado por animo às 19:18
link do post | comentar | favorito

MATINAS
19dez

Louvado sejas, oh Meu Senhor, por este esplêndido Irmão Sol! Aquece com a Tua Luz as nossas enregeladas mãos e qwertados, assim, possamos mandar as cinco linhas* que alegrarão os nossos irmãos!

(Esta rima é um bocadinho forçada, Senhor, mas quando faltam o engenho e a arte para mais, Tu, Lá, ou Aqui ,onde Te encontras, dá uma ajudinha, envia Teus Sinais!)

antónio colaço

*Quer dizer, se não escreverem hoje, a lareira do irmão sol vai ficar pobre, um sapatinho triste, sem textos, sem imagens .... e os vossos rostos, desanimados, bem loooooooonge destes aqui, tão encantados!!!

sapatinhonatal1


publicado por animo às 09:08
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008
NATAL.PRESENTES NOS PRESENTES

NATAL






O Colaço pediu-me 5 linhas sobre o Natal. Mas não me disse o comprimento delas. Achei que o melhor modo era enviar-lhe estas linhas do meu primeiro livro de poesia e desafiar os amigos desta Página a descobrirem, dentro de si mesmos, o que é para eles o Natal. Ou gostariam que fosse. Ah, e já vão 5 linhas.




dez14ua1




 

Natal: palavra feita, ou a fazer?


Deus nascido, ou a nascer?


Flor, espinho ou fruto?


Humano produto de humana condição,


ou certeza de um Deus que é nosso irmão?


 Ah, não me pergunteis o que é Natal.


Bem o sentis e sabeis


nesse clarão de alma diferente,


nessa vontade de ser cordeiro,


de se fazer irmão de toda a gente,


de dar presentes sem ter dinheiro


e de se dar em todos os presentes


 


 LOPES MORGADO


in AGORA QUE NASCI – poema do natal intemporal


Multinova (1976) 44.


NOTA


É evidente que as cinco linhas não passa de uma figura de retórica para que o redactor não continue a fazer a má figura de solicitar, a toda a hora, a vossa colaboração. Lá se diz, cinco linhas ou ... cinco mil!


ac



publicado por animo às 17:23
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

IR EM FRENTE MESMO QUE SE...

IDE EM FRENTE . MENSAGEM ...

PARA FÁTIMA E EM FORÇA ....

UMA ESPÉCIE DE ADEUS ATÉ ...

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

AS MÚSICAS DA MÚSICA TOCA...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

ANTÓNIO SILVA E ARMÉNIO M...

ALMOÇAI EM MINHA MEMÓRIA ...

arquivos

Julho 2017

Setembro 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds