Terça-feira, 10 de Março de 2009
BARCELOS, TERRAMOTO DE 1969.Agostinho Vaz, reporta.
capuchinhos36d

Os sobreviventes do terramoto de Barcelos,1969!

Viva minha gente!!!
 
Antes de dar a minha descrição sobre o dito cujo terramoto, aproveito para apresentar as minhas cordiais saudações à nossa gente, acompanhadas do respectivo pedido de desculpas pelo meu eclipse. Mas como sou um pouco de luas, não tenho passado pelo nosso convento.
Aproveito para informar do meu encontro com um ilustre frequentador deste areópago, o qual trabalha no Kasaquistão: sim, ele mesmo, o João Casais. Domingo, 8 de Março, Dia da Mulher fui apreciar um bacalhau à City Rio, em Ferreiros - Braga. Estava em amena cavaqueira com a mãe Olinda e tia Glória, quando um cavalheiro se abeirou da nossa mesa, pedindo desculpa, com o dedo em riste me interrogou de sopetão:
    - Agostinho Vaz?
    - Sim, ele mesmo, em carne e osso, embora comendo bacalhau.
É que este confrade foi dotado com um dos dons do corpo glorioso. É verdade! Para além de um olho de lince em fixar fisionomias, o nosso bom João Casais possui o dom da ubiquidade, porque, Omnipresente, só Deus.
  Seguiu-se um bate-papo entre nós, após as devidas apresentações, que até nos esquecemos do tacho e do seu conteúdo que estava a arrefecer. Depois seguiu-se o meu contacto com os comensais do João e as despedidas com a minha promessa de lhe facultar a listagem de todos os nossos confrades. Mas não lhe vou enviar a listagem por correio. Não senhor. Entretanto o João voa hoje, (3ª feira) para Toronto e regressa no dia 17 a Portugal. Combinámos encontrar-nos após a sua chegada. Mas o homem anda numa roda viva entre o Kasaquistão, Barcelos e Toronto.

NR-É um privilégio, aqui, no cantinho da cel@, imaginar-vos de volta do bacalhau com que matastes saudades!Que pena não termos uma fotozita!Nem acredito, João!Muito obrigado Agostinmho, vamos já para o terramoto! ac

_______________

BARCELOS . 1969 .O CONVENTO DE SANTO ANTÓNIO ABANOU!
 
Ora vamos lá contar a minha versão dos factos ocorridos naquela madrugada, quando os fradinhos de Santo António, assim como todo o país foram estremunhadamente acordados.
    Era quinta-feira, dia de feira em Barcelos. Seriam, talvez, quatro horas da manhã, quando senti um ruído surdo e vibrante, aumentando de intensidade.Dei comigo a pensar que seriam os carros de bois dos lavradores que iam para a feira semanal. Mas que diabo, ainda era muito cedo...
Seguiu-se um forte abalo com grande impacto telúrico nas estruturas do Convento. Saltei do leito e dei comigo em desequilíbrio a tentar enfiar uns chanatos nos pés, quando ... caí. Mas eu não tinha bebido vinho, tinha-me deitado sóbrio...
- Que se passará?  - Ah! Já sei. Isto deve ser um terramoto.
Quando tomo consciência do que seria, na verdade, ouvi um grande estrondo, para os lados da cela do Frei João Teixeira e de imediato o frei Lino sai para o corredor em camisa de dormir, imlorando estridentemente, a intercessão de todos os Santos e de Nossa Senhora.
Na cela ao lado da minha ouvia o Frei Carlos Rito respondendo: -rogai por nós mas, oh Lino vai para a tua cama. Será que a esta hora não tens palha no ninho?
Contrastando com o medo e a devoção do Frei Lino, o Frei Carlos continuava de porta aberta a invectivar o confrade para este dominar o pânico que tomou conta dele.
A minha descrição poderá induzir num lapso de tempo exagerado. Tento dar conta daquilo que me lembro, como se fosse ontem.
Entretanto um segundo abalo rugidor fez-nos sair das celas, uns com o hábito e outros sem o mesmo. Cada um se amanhou como pôde e encontrámo-nos todos no corredor das celas. Deparo, então, com o Padre Mestre, Frei Bernardino de Vide a incitar-nos a aceitar a vontade de Deus. Sugerindo-nos possíveis pontos de abrigo, lá nos foi lembrando que o convento era velho e que o epicentro do maldito se situaria próximo da Galiza. Com o intuito de alcançarmos o pátio do recreio baixámos do 3º piso passando pelo segundo, quando ouvi o Padre João Evangelista de Idiazábal a rezar. Fui ao quarto do bondoso e obeso Padre convidando-o a sair, ao que ele me perguntou:
- que haces pequeño, a estas horas? Hey, pincho, ven ajudar-me.
Continuavam os fantásticos estremeções e o edifício acusava a violência abrindo frechas nas paredes.
Quando chegámos ao pátio deparámos com o Miguel Barraco, meio atordoado, a perguntar-nos:
- Oh Frei, oh Frei, oh Frei? Valha -nos Nossa Senhora...
Já em segurança, relativa, lá fomos informados pelo Padre basco Frei Francisco de Olleta de alguns pormenores da infernal tremideira.
Eu continuava inquieto pelo estrondo, ao fundo do corredor, que se verificou após o auge do terramoto. Entre nós, com o Padre Mestre por perto, íamos perguntando uns aos outros quais os efeitos de tamanha tremideira. Para além de relatar o que se passou na minha cela, com o aparecimento de grandes fendas e a pequena queda lá nos ouvíamos uns aos outros. O Frei Firmino do Pombal ia sossegando o Manel Barraco, o Frei Lino continuava muito ansioso e invocando a ajuda divina. O Frei Joaquim Afonso, com a sua fleuma, conjecturava sobre as consequências, caso o abalo tivesse sido um pouco mais forte... Revelando falsa calma, o Frei José de Luanda desafiou-me a dar uma espreitadela para o mundo, ou seja: o irmão auxiliar tendo vindo do mundo havia pouco tempo gostaria de contemplar alguma donzela, talvez em camisa de dormir. O Frei Agostinho Mendes sossegou o noviço e pediu ao vizinho da sua cela, Frei João Teixeira que nos contasse porque saiu para o corredor, lívido como a cera, após o grande estrondo.
Por questões de espaço e arrumação, os Capuchinhos de Barcelos arrumaram algumas estátuas de Santos, no sótão do convento. Algumas, como a de S. Judas Tadeu e a de S. Francisco ficaram dispostas sobre algumas traves, por cima das nossas celas.
O caso poderia ter sido dramático, caso o frade de Uíge não desse à sola agradecendo a Deus ter saído ileso. E então o Frei João Teixeira foi-nos dando conta do sucedido e dizia:
       - Depois do primeiro abalo deduzi tratar-se de um tremor de terra, porém julguei que o efeito ficasse por ali e deixei-me ficar na cama. Após o segundo abalo senti algo de anormal no tecto e resolvi saltar da cama. Eis, senão quando e de repente cai a estátua de S.Francisco em cima da minha cama à mistura com caliça e ripas do tecto em barro.
Claro está, que a situação potencialmente perigosa nos proporcionou, pela madrugada, uma fuga pouco ordenada para espaço aberto, a possibilidade de convivermos e rirmos das nossas desventuras provocado pelo monstro que rugia e estrebuchava  nas entranhas da irmã Terra. Contadas as peripécias proporcionadas pelo medonho e demoníaco evento, o Padre Mestre ordenou-nos a ida para as celas continuar o descanso até à hora de matinas. Na passagem pelo segundo piso fomos interpelados pelo Padre Evangelista, que atirou:
-  Que passa pequeño? Ven aqui pincho Frei Rito.
Como já não houvesse tempo que justificasse o mergulho noutro sono entrámos para as celas e comunicáva-mos com o frade vizinho através das fracturas da parede divisória, até às seis e trinta da matina. Durante o santo dia, nos claustros do convento e no pátio do recreio não se falou noutra coisa. Que Deus seja louvado!  

Agostinho Vaz  


publicado por animo às 19:23
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

IR EM FRENTE MESMO QUE SE...

IDE EM FRENTE . MENSAGEM ...

PARA FÁTIMA E EM FORÇA ....

UMA ESPÉCIE DE ADEUS ATÉ ...

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

AS MÚSICAS DA MÚSICA TOCA...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

CAPUCHINHOS DE 1968 . CON...

ANTÓNIO SILVA E ARMÉNIO M...

ALMOÇAI EM MINHA MEMÓRIA ...

arquivos

Julho 2017

Setembro 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

blogs SAPO
subscrever feeds